Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

A MEDITAÇÃO UNIVERSAL, CONCENTRAÇÃO NA RESPIRAÇÃO

A MEDITAÇÃO UNIVERSAL, CONCENTRAÇÃO NA RESPIRAÇÃO
5 (100%) 11 votes

A CONCENTRAÇÃO NA RESPIRAÇÃO  “A VERDADE PURIFICADORA”

E A MEDITAÇÃO UNIVERSAL

 

Ao observarmos nossa respiração, começaremos a descobrir que a nossa mente e corpo estão num contínuo estado de agitação. Ao nos aprofundarmos na investigação da verdade, verificaremos que a nossa agitação está também presente nos níveis mais sutis. A meditação baseia-se na descoberta da verdade. A verdade de cada momento tal como ele é realmente.

Através da meditação é possível uma compreensão e o início da erradicação das causas dos sofrimentos, profundamente enraizados no subconsciente. Yoga é uma arte de viver pacífica e harmonicamente conosco mesmo e com os outros.

A mente, por estar condicionada aos padrões dos velhos hábitos, continua a ligar-se aos pensamentos do passado ou no futuro; que são irreais, gerando enorme quantidade de desejos, aversões e ilusões.

Ao observarmos nossa respiração, estando a mente no momento carregada de impurezas e entrando em contato com este ponto, durante algum tempo, ocorre uma grande explosão. O simples ato de observar a respiração, faz com que o yoguin diminua a intensidade das causas do sofrimento e ao entrarmos cada vez mais profundament para dentro de nós mesmos, as impurezas da mente começam a ser erradicadas.

A respiração é um indicador do estado mental. Quando a mente está agitada, a respiração também estará; se ela volta ao normal, a respiração também voltará. A respiração pode nos levar ao campo do conhecido para o desconhecido, ela é a ligação entre a verdade revelada e a irrevelada.

 

A OBSERVAÇÃO DA RESPIRAÇÃO É UMA MEDITAÇÃO UNIVERSAL

 

 

Cada pessoa deve substituir a fé-cega, a ilusão e a imaginação pela simples observação da verdade de cada momento, tal como ela é, trabalhando assim a sua evolução, tornando-nos conscientes do todas as “causas” e conseqüentemente de todos os defeitos.

As reações cegas ocorrem por estarmos tremendamente apegados à nossa imagem e ego. Continuamente tentamos estabelecer nossa imagem na mente dos outros. Nossa imagem, nossos sonhos e o apego por eles é que geram o sofrimento.

Através do esforço constante na meditação poderemos finalmente chegar à raiz dos nossos problemas, libertando-nos deles. A observação da causa leva-nos à sua erradicação. Observar sem reação, sem mais criar impressões conscientes da presente realidade, na sua espontânea manifestação, pode desenvolver o equilíbrio mental, cessando assim o sofrimento.

Se você for dominado por alguma emoção muito forte, tente apenas observá-la e observe as sensações em alguma parte do corpo. Permita que as coisas se manifestem de acordo com as leis da natureza. Assim como surgiram elas desaparecerão como as tempestades; apenas observe com paciência e serenidade, pois tudo é impermanente e passageiro.

O que existe é um fluxo constante de fenômeno impessoal. Ao compreendermos profundamente dentro de nós como o sofrimento é gerado, compreenderemos também como poderemos eliminá-lo através da sabedoria e da observação interior, sem criar reatividade, apenas observar, observar…

 

AUXÍLIOS NO PROCESSO DE AQUIETAR A MENTE

 

 

Muitos obstáculos interpõem-se no caminho de um praticante de meditação, como por exmplo, sua conduta externa. Em vez de agir com total sinceridade, preenchendo os votos de YAMA e NIYAMA, o estudante se pertuba freqüentemente com pensamentos negativos e desejos enganosos.

Por isso a adoção de uma postura filosófica intelectual não ser suficiente para um desenvolvimento espiritual. O conhecimento teórico não basta pra erradicar as tendências perversas. É preciso uma prática gradual de reflexão para gerar um desejo por hábitos mais elevados e uma maneira saudável de viver; poderemos assim estabilizar a mente em estados mais sutis, transformando os maus hábitos já profundamente enraizados.

 

RELAÇÃO CONSCIENTE E SUBCONSCIENTE

 

 

Para o YOGA, nosso plano consciente está inteiramente relacionado ao subconsciente, de tal forma que se exercermos um controle superior nos estados conscientes, poderemos dominar o inconsciente, no qual se encontram arquivados os potenciais de memória (SAMSKARAS) de todo o processo consciente.

Devido à uma auto-indulgência nos maus hábitos e pensamentos negativos, assim como a permanência de certas emoções, criamos modificações no plano subconsciente, fazendo com que esses fatores sejam repetidos, reaparecendo incessantemente sob qualquer tipo de estímulo externo.

Por outro lado, se quisermos nos assegurar contra esses ressurgimentos dos pensamentos e emoções negativas, temos que gerar tendências opostas no plano subconsciente, que por contínua oposição às causas das propensões perversas no inconsciente, as destruirão; e não mais reaparecerão no plano consciente.

NECESSIDADE DE CONTEMPLAÇÃO DOS OPOSTOS

 

 

A proposta do YOGA é a arte de erradicar nossas tendências negativas através de constante treino; primeiramente através da aceitação dos votos universais de YAMA NIYAMA e segundo pelo fortalecimento da influência moral para limpar a mente inconsciente de suas propensões perversas.

Por exemplo: Ao nos propormos em observar AHIMSA (grande voto de não-violência), e formos perturbados por pensamentos contrários de causar danos, seria preciso remover tais pensamentos nos habituando aos contrários.

A contemplação nos opostos é eficaz na eliminação dos pensamentos perversos que obstruem o desenvolvimento espiritual, gerando uma saudável tendência que se fortalece gradualmente, ajudando-nos a destruir as potencialidades negativas da mente.

 

O DOMÍNIO DAS EMOÇÕES

 

Durante os estágios preliminares na meditação, surgirão os conflitos emocionais. É recomendada a contemplação nos opostos e sua prática diária, para não mais haver a repetição dos desejos e pensamentos negativos, que obstruem a prática da meditação.

 

PENSAR ANTES DE AGIR

 

 

Os sábios recomendavam, que antes de agirmos, deveríamos analisar, se estamos aptos a fazê-lo por nós mesmos ou se prcisaremos que outros façam por nós.

E também analisar o motivo da ação; se precedida por desejo, raiva ou ignorância; a intensidade das mesmas, se fortes ou moderadas e suas repercussões de dor e conhecimento errôneo. Esse tipo de atividade intelectual, reduz a força dos pensamentos negativos, pelo constante hábito de contemplar os opostos e agir de acordo com isso no momento.

Cada idéia deve ser tomada separadamente e o cultivo do pensamento oposto, em detalhe para enfraquecer as tendências perversas. É preciso encontrar a corrente correta de pensamento e conectá-la com seu oposto negativo.

As cinco KLÉSAS (obstáculos) são:

A ignorância, o egoísmo, apego, aversão e o amor pela vida, os quais são bem claros quanto a abrangência de PRATIPAKSABHAVANA (contemplação dos opostos).

Por exemplo: ao desejarmos causar dano a alguém, mesmo se estivermos cobertos de razões, devemos pensar imediatamente nos resultados desse desejo, nos problemas e infelicidades que esse ato poderia causar.

Uma vez estabelecido o princípio de AHIMSA em relação a todos os sers vivos, não devemos em nenhuma circunstância ferí-lo novamente por ser a origem de todo o sofrimeento do mundo.

 

TÉCNICA DE FIXAÇÃO DO OLHAR

 

 

TRATAKA é um dos seis métodos de purificação recomendados pelo Hatha-Yoga. O objetivo é o de remover as impurezas dos olhos, estimulando o nervo ótico através da concentração do olhar e para se obter domínio sobre o sistema nervoso e dos sentidos externos. É recomendado quietude e a fixação dos olhos sem piscar, num pequeno objeto, até que os olhos se encham de lágrimas.

 

A TÉCNICA CORRETA

 

Sentar em SUKHASANA, num lugar sem vento, preferivelmente num canto de um quarto escuro, para evitar distrações da mente. Colocar uma vela a dois palmos de distância, mantendo a ponta da chama na altura dos olhos. Fixar o olhar nela, sem piscar, com a coluna reta.

O esforço para se manter os olhos abertos deve cessar gradualmente com o treinamento. Os olhos devem permanecer abertos e relaxados para prolongar-se a duração da prática.

No início haverá uma tendência para mexer os olhos e mudar o foco, o que deve ser evitado. Fixando-se os olhos em apenas um ponto, como a ponta da chama, todo o resto se tornará em fundo branco. Senda as distrações visuais eliminadas, é fácil para a mente esquecer-se dos objetos sensoriais.

Prolongando-se a prática em silêncio, escutando-se internamente, poder-se-á sentir a aproximação do estado de abstração. Induz à concentração e absorção.

Gostou do Artigo?? Deixe o seu comentário e compartilhe com os amigos.

%d blogueiros gostam disto: